FANDOM


Amores Sangrentos
514
Series 5.14
Episódio 96
Título Original My Bloody Valentine
Escritor Ben Edlund
Diretor Mike Rohl
Estréia 11/02/2010
Navegação
Anterior: A Música Permanece a Mesma

Próximo: Os Mortos Pedem Vingança

Resumo Editar

Castiel ajuda Sam e Dean a capturar um cupido no Dia dos Namorados após algumas pessoas da cidade começarem a se matar por amor. Entretanto, depois que o cupido disse que era inocente, eles descobrem que a Fome, um dos quatro cavaleiros do Apocalipse, chegou à cidade.

Sinopse Editar

Tudo começa com um casal se devorando, literalmente, casal se matando para ficar junto, um homem morrendo ao enfiar um bolo goela abaixo e um legista se matando de tanto beber. Fora uma cena horrível em um restaurante, um cozinheiro faminto colocou a mão dentro do óleo quente para comer batata frita. Até Castiel foi atingido pelo “Cavalheiro da Fome”, apenas Dean não foi afetado.

Sam foi invadido pela fome de sangue de demônio e pediu para ser preso no hotel, o problema é que o Cavaleiro mandou entregar a comida, dois demônios que não duraram muito frente à ansiedade de Sam. Munido novamente com seus poderes, o poderoso Winchester vai atrás do Cavaleiro, uma figura fraca, cercado por seguranças e sentado em uma cadeira de rodas. Sam não pensou duas vezes, fez os demônios virarem fumaça, esperou o Cavaleiro se alimentar deles e o derrotou.

Dean não pensou duas vezes, trancou seu irmão e o ouviu gritar desesperado, com crise de abstinência. Sem saber o que fazer e depois de ouvir do Cavaleiro que está morto por dentro, que não há alma, apenas um vazio grande em seu corpo, Dean olha para o céu e pede ajuda, diz não agüentar mais.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória